Jump menu

Main content |  back to top

As empresas monitoram constantemente os fatores que influenciam suas perspectivas de negócios e tentam prever o caminho pela frente. No entanto, a Shell vai além e desenvolve visões detalhadas do futuro para a sociedade, o meio ambiente e a indústria de energia.

Criando cenários plausíveis de como provavelmente o mundo evoluirá nas próximas três ou quatro décadas, ajudamos os executivos a fazerem escolhas estratégicas. É uma abordagem abrangente que é cada vez mais adotada, inclusive pelos responsáveis por políticas governamentais.

“Pessoas da indústria energética e de outras áreas seguiram o exemplo da Shell para modelar aquilo que será plausível no futuro”, diz Sir David King, diretor da Faculdade Smith de Empreendimentos e Meio Ambiente da Universidade de Oxford e antigo Consultor-Chefe de Ciências do governo britânico.

“No meu próprio trabalho com cenários para o governo sobre várias questões importantes, olhamos primeiro para aquilo que já foi feito na área de análises do futuro e os cenários da Shell foram um dos exemplos excelentes com os quais aprendemos”.

Do gás natural aos biocombustíveis

Shell Cenarios Fontes de energia

 

Oferta de energia primária mundial total. Várias fontes de energia serão necessárias para atender à  crescente demanda global nas próximas décadas. Fonte: Signals & Signposts, publicação dos cenários da Shell de 2011.

Para criar visões do futuro, a equipe de cenários da Shell se concentra nas tendências a longo prazo da economia, demanda e oferta energéticas, mudanças geopolíticas e transformações sociais. Seu trabalho ajuda a Shell a entender como os consumidores, governos, empresas e regulamentadores provavelmente se comportarão e responderão aos desenvolvimentos do futuro.

Os cenários exercem um papel importante em todas as decisões estratégicas da empresa. Em 2005, por exemplo, levantaram a probabilidade de uma lacuna iminente entre a demanda crescente da sociedade por energia e a oferta global. Isso ajudou a incentivar os executivos a expandir consideravelmente a produção de gás natural com queima mais limpa. A Shell foi mais rápida do que outras empresas em investir em novas tecnologias ou comprar ou explorar novos campos de gás.

A iniciativa da Shell em 2011 em direção à produção de biocombustível de baixo carbono a partir da cana-de-açúcar brasileira é outro caso relevante. Os cenários haviam destacado uma combinação de circunstâncias que fizeram com que os biocombustíveis se tornassem uma oportunidade de negócios atraente, além de poderem lidar com as preocupações da sociedade em relação ao meio ambiente.

Esses cenários incluíram uma maior demanda por energia e preços mais altos, bem como esforços governamentais para reduzir as emissões de gases do efeito estufa. Isso aumentou a confiança da Shell em se envolver na produção de biocombustíveis. O resultado disso foi a criação da joint venture Raízen.

Definindo o futuro da sociedade

Cada vez mais os responsáveis por políticas usam o pensamento de cenários para ajudar a guiar a sociedade para o futuro. A Shell regularmente compartilha os resultados dos seus cenários de energia com os governos. Na China, a equipe de cenários deu um passo a mais, estabelecendo parcerias com agências governamentais para ajudar a desenvolver políticas energéticas alternativas a longo prazo.

O trabalho agora está em andamento na Shell para os novos cenários globais para o século XXI. Com o crescimento da população mundial, a cada vez maior demanda por energia sustentável, água, terra e alimentos pode alimentar tensões com relação à escassez de recursos. Com conclusão prevista para 2012, esses cenários enfatizarão duas incertezas principais: a velocidade das mudanças, tanto em termos de regulamentações quanto de tecnologias dentro do sistema de energia, e a resposta do mundo perante a crescente volatilidade econômica e política.

 

* Essa história inclui contribuições de Angela Wilkinson, Diretora do Programa da Direção de Futuros da Faculdade Smith de Empreendimentos e Meio Ambiente da Universidade de Oxford.