Jump menu

Main content |  back to top

 

As Categorias e Critérios

 

1. O Prêmio Shell para o Teatro Brasileiro é destinado aos melhores profissionais de Teatro no país que tenham estreado espetáculos no Rio de Janeiro e em São Paulo entre 1º de janeiro e 31 de dezembro. As peças que estréiam entre 1o de janeiro e 30 de junho concorrem às indicações do 1o semestre, e as peças que estréiam entre 1o de julho e 31 de dezembro concorrem às indicações do segundo semestre.

Parágrafo 1 - Caso um espetáculo não complete o número de apresentações exigido dentro do semestre da estréia (ver item 3 deste regulamento), ele poderá ser indicado no semestre seguinte. No entanto, o espetáculo que tiver cumprido mais de metade das apresentações dentro do semestre da estréia poderá ser indicado nesse semestre, a critério do júri, desde que as apresentações programadas totalizem o número previsto no item 3 deste regulamento.

 

2. Caso um determinado espetáculo se apresente nas duas cidades, concorre exclusivamente na cidade onde tenha cumprido primeiro o número mínimo de apresentações (dentro dos prazos referidos no item 3). Peças que estréiam em outras cidades podem concorrer no Rio de Janeiro ou em São Paulo, dependendo de onde tenha feito sua temporada após a estréia. Um espetáculo só pode ser indicado na cidade onde cumpriu primeiro o número mínimo de apresentações, independente de ter sido premiado ou não.

Parágrafo 1 – Na impossibilidade de o Júri assistir a todos os espetáculos da temporada, seus integrantes terão autonomia para definir critérios com o objetivo de avaliar o maior número possível de produções. Em caso de alterações na produção, apenas os novos integrantes concorrerão normalmente.

 

3. O número mínimo de apresentações para que o espetáculo seja elegível aos prêmios é de 24 apresentações (não necessariamente consecutivas), na praça em que estiver concorrendo (Rio de Janeiro ou São Paulo).

Parágrafo 1 – Em atenção às especificidades de cada praça, no Rio de Janeiro, espetáculos em dias alternativos que cumprirem, no mínimo, 12 apresentações (não necessariamente consecutivas) serão elegíveis.

 

4. A entrega de prêmios será realizada no início do ano seguinte à temporada em questão.

 

5. São dezoito os prêmios, nove para o Rio e nove para São Paulo, e nas

seguintes categorias:

A - Autor de Texto Nacional;

B - Diretor;

C - Ator;

D - Atriz;

E - Cenário;

F – Figurino;

G - Iluminação;

H - Música (compreendendo música original, trilha sonora, arranjos, direção musical e efeitos sonoros);

I -  Inovação.

 

6. Os autores concorrem apenas no ano da primeira montagem de suas peças no Rio de Janeiro ou em São Paulo. Mas uma peça em remontagem permite que os demais artistas concorram, desde que estejam estreando e apresentando trabalhos originais.

 

7. À categoria Inovação concorrem  todos os espetáculos, textos, grupos, ou profissionais de teatro (inclusive os não relacionados nas categorias de A a H, ex. tradutor, cenotécnico, produtor, etc.) que tenham apresentado trabalhos significativamente inovadores quanto à forma ou conteúdo face ao cenário teatral vigente no ano corrente da premiação. 

 

8. Além das nove categorias, o Prêmio Shell de Teatro, a cada festa de premiação, fará uma Homenagem Especial a uma personalidade da área teatral.

Para esta indicação não haverá premiação financeira, apenas será entregue um troféu ao(a) agraciado(a).

 

As Indicações

 

9. A comissão indicará no máximo três concorrentes em cada categoria no primeiro semestre e no máximo três concorrentes no segundo semestre. O vencedor será escolhido, portanto, entre, no máximo, seis candidatos.

 

10. A comissão não poderá deixar de indicar pelo menos um candidato por semestre.

 

A Comissão Julgadora / Escolha

 

11. As comissões julgadoras - uma para o Rio e outra para São Paulo – serão compostas de cinco pessoas em cada cidade, convidadas pela Shell entre artistas, personalidades ligadas ao teatro e ao mundo cultural brasileiro, críticos, etc. A comissão terá como presidente um representante da Shell.

Parágrafo 1 - É vedado a qualquer membro das comissões votar e ser premiado

em qualquer categoria de espetáculo do qual tenha participado.

 

12. Com o objetivo de promover a renovação de idéias e perfis entre os membros do júri do Prêmio Shell de Teatro das cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, a cada dois anos, um dos membros dos júris do Prêmio Shell deixará de fazer parte dele. Caso nenhum dos jurados expresse vontade de sair do júri, será substituído aquele com mais tempo consecutivo nessa função. Os membros do júri podem indicar nomes para a substituição. O período de afastamento deve ter duração mínima de 2 (dois) anos.

 

13. Cada comissão deverá se reunir duas vezes por ano. Para julgar os concorrentes do primeiro semestre, a reunião será realizada até 25 de julho e, do segundo semestre, até 25 de janeiro. Casos omissos (ou questões relevantes quanto à premiação não contidas no presente regulamento) deverão ser objeto de deliberação ao longo dessas 2 reuniões.

 

14. Tanto para indicação quanto para a premiação, é fundamental que cada concorrente obtenha metade mais um dos votos dos jurados. Serão realizados tantos escrutínios quantos necessários, com a sucessiva eliminação dos menos votados, até que se atinja essa maioria.

 

15. A reunião final, que proclamará os vencedores, será realizada no próprio dia da entrega dos prêmios. Os envelopes com os nomes dos vencedores deverão ser entregues pela comissão julgadora ao presidente duas horas antes do início da cerimônia pública em que serão entregues os prêmios.

 

16. O valor do prêmio é de R$ 8.000 líquidos para cada um dos premiados.